sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Natal 2013: Pope2You lança oração em vídeo pelo papa

Neste Natal, o portal www.pope2you.net, do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, propõe aos seus usuários -paróquias, conventos, instituições religiosas, famílias e jovens - a criação de vídeos de felicitação natalina acompanhados por uma oração pelo papa Francisco.

“Juntar os bons desejos dos nossos amigos para o papa nesta época festiva”, diz o pe. Paolo Padrini, coordenador do projeto, “é um bom hábito que nós mantemos há vários anos. Agora, neste Natal, nós quisemos dar a todos a oportunidade de enviar também um vídeo, com as imagens do nosso presépio, da nossa paróquia, por exemplo, para dizer que nós vivemos o nosso Natal junto com o papa Francisco”.

O Santo Padre “está sempre nos pedindo para rezar por ele. Queremos responder a esse pedido com esta iniciativa. Já estão nos mandando muitos vídeos e frases do mundo todo, que mostram o quanto o papa é amado e o quanto as pessoas querem entrar em comunhão com ele”.

O site www.pope2you.net apresenta as instruções para quem quiser gravar o seu minivídeo através dos aplicativos Vine ou Instagram. Todas as contribuições serão reunidas depois das festividades natalinas e entregues diretamente a Francisco, “como um sinal de proximidade espiritual concreta”.

Fonte: Aleteia

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Inscrições para o Prêmio de Comunicação da CNBB terminam dia 31

Prossegue até 31 de dezembro o prazo de inscrições para os “Prêmios de Comunicação da CNBB”. Serão escolhidos os melhores trabalhos produzidos entre 2012 e 2013, cujos objetivos coincidam com valores humanos, cristãos e éticos. A cerimônia de entrega dos prêmios acontecerá durante a 52ª Assembléia Geral dos Bispos, programada para o mês de maio de 2014, em Aparecida (SP).

Os prêmios são promovidos pela Conferência dos Bispos por meio da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. São quatro categorias, sendo Margarida de Prata para o cinema, Microfone de Prata para o rádio, Clara de Assis para a televisão e Dom Hélder Câmara para a imprensa.

“Nesta longa trajetória, a CNBB vem trabalhando para que essas produções culturais estejam sustentadas nos valores humanos, éticos e cristãos. Desta forma, a Conferência busca estabelecer um diálogo com o mundo da comunicação, da cultura e da criação artística e, ao mesmo tempo, reconhecer e valorizar o trabalho desses profissionais”, destaca a assessora da Comissão para a Comunicação, Ir. Élide Fogolari.

Confira os regulamentos de cada prêmio e a ficha de inscrição no link: Prêmios 2014

Conheça as premiações
- 11º Prêmio Dom Hélder Câmara de Imprensa foi criado em 2002. Tem por objetivo premiar profissionais da mídia imprensa, cujas reportagens tragam em seu conteúdo valores humanos, sociais, políticos, cristãos e éticos, com vistas a construção da cidadania e a construção da cultura da paz.

- 8º Prêmio Clara de Assis para a Televisão foi criado em 2005. Tem por objetivo premiar programas televisivos nacionais, produzidos e exibidos por emissoras comerciais, educativas ou comunitárias brasileiras e que trazem em seu conteúdo valores humanos, sociais, políticos, cristãos e éticos.

- 44º Prêmio Margarida de Prata foi criado em 1967 pela Central Católica de Cinema, no âmbito do então Secretariado de Opinião Pública da CNBB. Tem por objetivo premiar as produções nacionais do cinema brasileiro, obras que apresentem em suas temáticas e artística valores humanos, éticos e espirituais.

- 22º Prêmio Microfone de Prata foi criado em 1989. Tem como objetivo principal incentivar e apoiar a produção e a qualidade de programas radiofônicos não só religiosos, evangelizadores, mas também de promoção humana, reconhecendo o valor do que já se faz e buscando aperfeiçoar.

Reconhecimento

Completando 46 anos, o prêmio Margarida de Prata é um dos mais antigos. Foi criado em 1967 e já premiou mais de 100 filmes brasileiros entre longas e curtas-metragens e menções especiais. Ir. Élide Fogolari lembra que esse prêmio surgiu no período da Ditadura Militar no Brasil, para um contraposição contra a restrição do Governo sobre as produções culturais.

A premiação é reconhecida pelos cineastas e produtores nacionais. Foram premiados cineastas como Walter Salles por Central do Brasil, Terra estrangeira e Abril despedaçado; Silvio Tendler por Os anos JK, Jango, Castro Alves- Retrato do poeta e Utopia e barbárie, Josué de Castro, cidadão do mundo; Roberto Farias por Pra frente Brasil; Leon Hirszmann por São Bernardo, Eles não usam black-tie e Imagens do inconsciente; João Moreira Salles por Nelson Freire, entre muitos outros.

Fonte: CNBB

Jornal oficial da Santa Sé em português na Internet

Conjugar comunicação e comunhão: com este espírito, nesta terça-feira, 17, o jornal oficial da Santa Sé, “L’Osservatore Romano”, coloca no ar o seu novo site, totalmente diferente. O www.osservatoreromano.va traz um maior número de notícias, mais fotos e um aspecto gráfico mais moderno, mas a grande novidade é que a partir de agora, todo o conteúdo do jornal escrito está disponível na rede.

Ao lado da edição cotidiana em italiano, o site mostra por inteiro as edições semanais em francês, inglês, italiano, espanhol e português, além do mensal em polonês.

A partir deste dia, aniversário do Papa Francisco, os leitores dos países mais distantes, aonde o jornal chega com dificuldade e com altos custos, poderão acessar tempestivamente às informações sobre o Papa e a Santa Sé.

Tudo será gratuito, visível em smartphones e tablets, sem necessidade de cadastro. Quem quiser, verá as páginas no mesmo instante em que são impressas pela Tipografia Vaticana. Emfim, outro aspecto novo é a conexão com o mundo das redes sociais. As páginas podem ser relançadas através de Twitter e Facebook, o que multiplica a oportunidade de compartilha e debate.

A reforma foi feita em colaboração com o Pontifício Conselho das Comunicações Sociais e com o Escritório Internet da Santa Sé.

Fonte: Rádio Vaticano

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

10 maneiras de usar a tecnologia para “bombar” na Nova Evangelização

Sim, as novas tecnologias são desconcertantes, mas se não deixarmos que elas “baguncem” o nosso apostolado, vamos ficar de fora das conversas!
Daniel McInerny

Vivemos numa época de inovações tremendamente desconcertantes. Os avanços na tecnologia digital estão virando setores inteiros de cabeça para baixo. A indústria da música, o jornalismo impresso, as publicações, o cinema e a televisão, o ensino superior... Todos eles são só alguns dos segmentos forçados a se reinventar por causa dos emocionantes e estarrecedores saltos da tecnologia digital na escala da inovação.

Mas os principais atributos da tecnologia digital - democratização, personalização e distribuição fácil - não estão apenas deixando para trás os jeitos convencionais de fazer publicidade e distribuir produtos. Bem mais importante do que isso: eles estão mudando o jeito dos seres humanos se comunicarem! Cada vez mais, nós estamos interagindo através de mídias digitais, um fenômeno que, mesmo envolvendo perigos evidentes, também facilita a intimidade entre povos separados por oceanos e continentes.

Visitar o Vale do Silício, na Califórnia, como eu visitei na semana passada para representar a Aleteia no Fórum Tecnológico de Líderes Cristãos, com o patrocínio generoso da Fundação Maclellan e da Crowell Trust, é uma experiência que enche qualquer um de espanto diante da criatividade humana. Existe alguma coisa naquele ambiente iluminado pelo sol da Califórnia que é contagiante! É verdade que podemos questionar uma série de coisas naquele mundo de empresas embrulhadas em prédios de vidro, cheias de estações de trabalho e abarrotadas de capital de risco, mas também temos muita coisa para admirar nessa cultura que abre tanto espaço para o intelecto humano trabalhar.

O Fórum Tecnológico de Líderes Cristãos é uma oportunidade extraordinária de reflexão para os líderes de uma grande variedade de apostolados cristãos: como aproveitar as novas tecnologias nas nossas missões?

Durante dois dias, palestrantes estelares como o ex-engenheiro da Apple que inventou o iPad, um "evangelista" do Google e um diretor de tecnologia da Universidade de Stanford discutiram as atuais conquistas e as perspectivas futuras dos apostolados cristãos que querem comunicar a Palavra de Deus através dos meios digitais.

A nova evangelização é mais uma força desconcertante na nossa cultura, alimentada não pela tecnologia digital, mas pelo poder do Espírito Santo. Ao se referir à nova cultura digital, o papa Bento XVI fez uma analogia com o mar: um “mar digital”. O papa Francisco fala da questão como a “ágora do século 21”. Na nova evangelização, católicos e todos os cristãos têm que se atrever a explorar as profundezas desse mar e lançar nele as redes para a pesca. Temos que entrar com alegria e com entusiasmo na ágora digital do nosso tempo, ansiosos para interagir com as pessoas e para anunciar a elas o Evangelho num clima de amizade.

Quais são as dicas que você e o seu apostolado podem aproveitar do Fórum Tecnológico de Líderes Cristãos?

Confira aqui o meu top 10:

1. Mobilidade. Existem 4 bilhões de usuários de dispositivos móveis no mundo. Há mais pessoas no planeta com dispositivos móveis do que com escovas de dentes (sério!). A inovação digital é arrasadoramente propensa à mobilidade: smartphones, tablets e até mesmo dispositivos físicos. Se você quer impactar usando a mídia digital, seria muito sábio se perguntar como é que você está usando o seu celular. No mínimo, o seu site tem que estar 100% pronto para ser acessado de maneira específica por dispositivos mobile. Mas, além desse quesito básico, você também está desenvolvendo algum aplicativo para os dispositivos móveis? Se não está, deveria estar.

2. Conexão emocional. A nossa economia é pós-industrial. Seth Godin afirma que vivemos hoje numa “economia de conexão”: a ênfase não está mais nos produtos e na publicidade, mas em criar conexão emocional com uma base de “fãs”. A tecnologia tornou facílimo criar um site, um curso on-line, um livro digital. O verdadeiro desafio é mostrar empatia, ligação, criar uma conexão humana. Não é só uma técnica de marketing. Não estamos falando apenas de personalizar e-mails para avançar do "Prezado cliente" ao "Olá, querido Miguel". Estamos falando de ser mais humanos e de incentivar a experiência de comunidade.

3. Personalização. Você cria uma conexão humana quando torna o encontro com a sua empresa o mais pessoal possível. Se a Netflix fosse um país, ela teria a 35ª maior população do mundo. Ela tem mais “habitantes” que o Canadá. A Netflix conseguiu isso porque permite personalizar no detalhe a experiência do usuário com a plataforma. E você, como é que está criando uma conexão emocional e pessoal com a sua tribo?

4. Diferencial notável. Seth Godin destaca: o que quer que você esteja fazendo, ou o mercado está de olho em você ou então não está nem aí (ainda). E mais publicidade não vai necessariamente virar a maré a seu favor. A única maneira de se destacar é sendo... notável. Romper esquemas. Você pode ser "notável" tipo subcelebridade, com 15 minutos de fama, ou pode ser notável mesmo, gerando um verdadeiro diferencial para os seus irmãos, os seres humanos. O diferencial verdadeiro é o serviço. Quer um bom exemplo? Dê uma pesquisada no projeto de caridade de Scott Harrison: “Charity: Water” (Caridade: Água). Fazer caridade já é um diferencial notável, mas o projeto dele também quebra paradigmas. A sua missão também tem um diferencial notável? Como é que você está comunicando a sua mensagem para que as pessoas queiram compartilhá-la imediatamente com mais alguém?

5. Geração Y. Os jovens nativos digitais são o alvo de muitos dos nossos apostolados. Mas você quer saber de uma coisa? Esses jovens, os chamados millennials ou Geração Y, não acham que o dinheiro é tudo. Eles estão interessados em dar sentido à vida. Eles estão ansiosos para contribuir com alguma coisa maior do que eles mesmos. Esta é uma ótima notícia para os apostolados cristãos, porque nós temos um acesso muito bom ao Supremo Sentido de tudo! O trabalho duro é demonstrar para a geração do milênio que este Sentido é relevante, e o desafio é aprender a falar de um jeito que eles entendam. Como você está abordando a geração do milênio? Você está falando em analogiquês enquanto eles falam em digitalês?

6. Humor. Quais são os comerciais do intervalo do jogo que você e os seus amigos vão comentar no dia seguinte? Fim de papo: o humor é uma das melhores maneiras de criar conexão humana. No seu trabalho, no seu site, nas redes sociais, você está transmitindo risos que reforçam a amizade e a confiança? Ou está só tentando nos vender na marra?

7. Conteúdo. No século 21, todo o marketing, toda a comunicação gira em torno de conteúdo. No mundo digital, as pessoas querem algo de valor (e grátis) em troca da confiança delas. E é com a confiança que você constrói comunidades. E aí, qual é o conteúdo valioso que você está oferecendo para a sua tribo? Como é o seu conteúdo? Uma boa estratégia para criar conteúdo atraente é contar histórias sobre as pessoas que fazem parte da linha de frente do seu apostolado, ou sobre os membros da comunidade que você está tentando ajudar.

8. Histórias. Quase tudo no mar digital tem formato de história. É que os seres humanos são feitos para se identificar com histórias, e a tecnologia tornou muito mais fácil contar histórias. Nós queremos saber dos heróis e das heroinas que enfrentam obstáculos e que trabalham duro para superá-los, mesmo que nem sempre consigam. Ninguém quer palestra e sermão (pelo menos não agora). Mas todo mundo quer saber de uma boa história. Se você quiser dar uma palestrinha depois, tudo bem, mas, antes, cative as pessoas com uma boa história. E então, que histórias você tem para contar? (Dica de um jeito rápido e fácil para criar histórias: pesquise e conheça o Storify).

9. Transparência radical. Esta é outra lição do projeto “Charity: Water”, aquela organização que usa 100% dos donativos angariados para oferecer água potável a países em desenvolvimento (ou seja, nenhuma parcela dos donativos é destinada a manter a infraestrutura da organização). E cada centavo doado pode ser rastreado via site para garantir que a doação foi realmente usada no fornecimento de água potável. A “Charity: Water” convida a sua comunidade a ver como é que as coisas funcionam lá dentro: e elas funcionam muito bem, obrigado. E você: a sua comunidade, o seu conselho, os seus doadores, os beneficiários do seu apostolado, estão por dentro da sua operação? Como é que você mostra as coisas que está fazendo para que eles vejam o quanto o seu trabalho é relevante?

10. Nuvem. Torne tudo mais simples, acessível e seguro. Não existem mais desculpas do tipo “meu disco rígido pifou”, “perdi todo o meu trabalho”. Você é daqueles que ainda mandam anexos por e-mail? Você ainda carrega a tiracolo um punhado de pendrives? Esqueça isso! Guarde todo o seu conteúdo digital em servidores “na nuvem” e torne o seu fluxo de trabalho mais eficiente.

Bônus superespecial:

11. Influenciadores sociais. Você não tem dinheiro? Tudo bem. Identifique os principais influenciadores sociais do seu entorno e convide-os para ajudar você a espalhar a sua mensagem. Eles não precisam ser celebridades da TV. Podem ser blogueiros influentes, por exemplo. Mas essa estratégia vai funcionar melhor se você oferecer a eles algum valor em troca: afinal, você quer parceria, e não esmola. Quem são os formadores de opinião que podem espalhar a sua missão como um vírus por aí? O que você tem para oferecer em troca? Como você pode contatá-los?

Eu posso ter me esquecido de alguma coisa nesta lista. Que outras estratégias digitais você acrescentaria? Comente!

Fonte: Aleteia

Na Festa de Guadalupe, CELAM renova site e informativo

No dia 12 de dezembro, festa de Nossa Senhora de Guadalupe, o Conselho Episcopal Latinoamericano (CELAM) lançou uma versão totalmente renovada do seu site e do serviço informativo ‘NOTICELAM”.

O novo site é uma plataforma digital que compreende também diversos portais, considerados como um espaço onde anunciar a Boa Nova do Evangelho e as notícias da América Latina e do Caribe, além de relatórios, comunicações e avisos dos diversos departamentos e centros operativos do CELAM, e grupos de trabalho para viver o empenho dos Bispos e fiéis do continente.

Entrando nos diversos portais, é possível acompanhar as iniciativas das Igrejas do continente a nível local e regional, empenhadas em concretizar o ensinamento de Aparecida.

Com as suas 22 Conferências Episcopais da América Latina e Caribe, junto ao Departamento de Comunicações da Conferência Episcopal dos Estados Unidos e às agências de informações Eclesiais, o CELAM quer oferecer um serviço renovado a todo o mundo por meio da internet.

Fonte: Rádio Vaticano

Papa Francisco é o tema mais popular no Facebook em 2013

Aproxima-se o final do ano de 2013 e é a hora de fazer um balanço do que supôs estes últimos doze meses. A rede social Facebook já o fez e publicou um informe no qual se pode ver que o Papa Francisco tem sido o mais comentado nesta rede social.

O Pontífice está em primeiro lugar entre os temas mais populares, seguido da palavra “eleição”. Em terceiro lugar está “Royal Baby”, o primeiro filho dos duques de Cambridge. Abaixo segue: Tufão Haiyan, Margaret Thatcher, Harlem Shake, Miley Cyrus, Maratona de Boston, Tour da França e Nelson Mandela.

Analisando alguns países em particular, no caso da Argentina por exemplo, o Papa Francisco está em terceiro depois de La Plata e Justin Bieber. No Brasil, o papa se encontra na quinta posição, no Canadá na nona, no México na sétima, na França na nona, na Polônia na terceira e nos Estados Unidos na sexta. Na Espanha, o papa Francisco não aparece entre os dez temas mais populares; muito menos na Itália, onde sim se encontra o papa emérito na nona posição. Bento XVI também foi dos temas mais comentados na Polônia, alcançando a quinta posição.

O informe do Facebook também mostra os “principais acontecimentos importantes” que os usuários refletem na rede social. O primeiro lugar se refere a uma nova relação, compromisso ou matrimônio, seguido de viagens e mudança de residência.

Facebook , a rede social criada por Mark Zuckerberg em 2004 para estudantes da Universidade de Harvard depois se abriu para as pessoas que tiveram uma conta de email. Em junho de 2013, superava já os dez milhões de usuários e está presente em 70 países do mundo.

Fonte: Zenit

Arcebispo Celli sobre o primeiro ano de @Pontifex: uma escolha perspicaz de Bento XVI

Em 12 de dezembro de um ano atrás Bento XVI abria a sua conta Twitter @Pontifex. Foi um evento de alcance mundial, que colocou em evidência o compromisso da Igreja de anúncio do Evangelho nas redes sociais.

Após a eleição do novo Sucessor de Pedro, o bastão passou com bom êxito para Francisco, vez que hoje a conta @Pontifex – em nove línguas – se aproxima dos 11 milhões de seguidores no mundo inteiro.

A Rádio Vaticano pediu ao presidente do Pontifício Conselho das Comunicações Sociais, Dom Claudio Maria Celli, que traçasse um balanço deste primeiro ano do Papa no Twitter:

Dom Claudio Maria Celli: Quando o Papa Bento XVI lançou o primeiro twitter, ele tinha plena consciência da importância daquele momento. Confesso que naquele dia disse ao Pontífice: “Santo Padre, no momento em que lançava seu primeiro tweet, pensei naquilo que fez o seu predecessor Pio XI, quando pela primeira vez lançava sua mensagem através da Rádio Vaticano”. E o Papa olhou para mim sorrindo e me disse: “Sabe que também eu pensei nisso?” Isto significa que o Papa Bento XVI tinha total consciência da importância desta sua presença num das linguagens – como a do twitter – mais utilizadas, especialmente no campo da juventude. E hoje, com o Papa Francisco, todos temos consciência de que aquela decisão, tomada um ano atrás, foi perspicaz, positiva. Hoje temos praticamente onze milhões de seguidores, mas o que mais nos interessa é que ao menos sessenta milhões de pessoas, através do ato de “retuitar”, recebem uma palavra do Papa, essa breve mensagem, num espaço de desertificação espiritual, como dizia o Papa Bento. Nesse contexto, mesmo uma gota de água fresca, como é um tuíter – 140 caracteres – tem seu valor, sua importância.

RV: A seu ver, qual é a contribuição específica que “Pontifex” está dando para o esforço de evangelização do chamado “continente digital”?

Dom Claudio Maria Celli: Também nesse continente a Palavra de Jesus deve ressoar. Mesmo porque muitos de seus habitantes, se nesse contexto não encontram a Palavra Jesus, não a encontrarão em outros lugares. E creio que isso constitua um desafio para todos nós. Nesse sentido, diria que devemos redescobrir como cada um de nós se faz presente nesse contexto ambiental. Devemos assumir uma dimensão missionária que não é proselitismo. Devemos fazer de modo que esta Palavra ressoe no contexto do “continente digital”. Faço meu um pensamento de Bento XVI, quando falava sobre as “redes sociais”. O Papa dizia que o problema não é fazer citações formais do Evangelho, mas na Rede, nesse ambiente, avaliações e testemunhos pessoais devem estar presentes. Quase diria que os discípulos do Senhor deveriam inserir nesse contexto aquilo que é a síntese entre a sua fé e a sua vida.

RV: Na exortação apostólica Evangelii gaudium, o Papa Francisco exorta a ser audazes e criativos na linguagem. A seu ver, as redes sociais podem ajudar nesse sentido?

Dom Claudio Maria Celli: Creio que o grande desafio para nós, hoje, é anunciar o Evangelho com uma linguagem que os homens e as mulheres de hoje possam compreender. Na exortação apostólica, o Papa Francisco dedica muitas páginas e reflexões ao tema da linguagem, porque o grande risco é que a própria mensagem possa ser distorcida. O Papa diz que podemos anunciar um “Deus falso”, com todas s boas intenções que podemos ter no coração. Por vezes, o risco é que a linguagem mude a mensagem. Então eis aí a necessidade de poder utilizar uma linguagem que os homens de hoje possam entender.

Fonte: Rádio Vaticano

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Papa encoraja leigos a estar presentes na internet

Com o Concílio Vaticano “soou a hora dos leigos”: a expressão é de João Paulo II, mas foi recordada pelo Papa Francisco, ao receber, no sábado, 7, os 80 participantes na assembleia plenária do Conselho Pontifício para os Leigos, que decorreu nos últimos dias em Roma.

O Santo Padre congratulou-se com diversas iniciativas recentes deste Dicastério da Cúria Romana, nomeadamente o Congresso Pan-africano de Setembro do ano passado sobre a formação do laicado em África, e também o Seminário de Estudo por ocasião dos 25 anos da Encíclica “Mulieris dignitatem”, de João Paulo II.

Não faltou uma alusão e um agradecimento pela Jornada Mundial da Juventude do Rio de Janeiro – “uma verdadeira festa da fé”, que (disse) “pôs em evidência a dimensão missionária da vida cristã, a exigência de sair ao encontro dos que esperam a água viva do Evangelho, ao encontro dos mais pobres e excluídos”.

Detendo-se especificamente sobre o tema desta plenária – “Anunciar Cristo na era digital”, o Santo Padre fez notar que se trata de um campo privilegiado para a ação dos jovens e reconheceu que Internet, realidade complexa e em contínua evolução, relança a “questão sempre atual da relação entre fé e cultura”. Como aconteceu nos primeiros séculos, no confronto com a cultura grega, quando os autores cristãos, sem ceder a um compromisso com algumas ideias em contraste com a fé, aceitaram o confronto, sabendo “reconhecer e assimilar os conceitos mais elevados, transformando-os a partir de dentro à luz da Palavra de Deus”.

Conscientes das oportunidades e dos perigos da “rede” digital, sabendo que aí se encontram “moedas falsas, ilusões perigosas e armadilhas que há que evitar”, o Papa encorajou um uso positivo dos novos meios de comunicação: “é indispensável estar presente, sempre com estilo evangélico, naquilo que para tantos, especialmente jovens, se tornou numa espécie de ambiente de vida, para despertar as perguntas irreprimíveis do coração sobre o sentido da existência e indicando o caminho que leva àquele que é a resposta… o Senhor Jesus”.

Para tal, “não basta adquirir competências tecnológicas, por muito importantes que sejam”.“Trata-se antes de mais de encontrar homens e mulheres reais, muitas vezes feridos ou desorientados, para lhes oferecer autênticas razões de esperança”.

Fonte: News.va

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Dom Orani fala sobre o "Inter Mirifica"



Fonte: InterMirifica.net

Papa Francisco recorda os 50 anos do Decreto Inter Mirifica

O Papa Francisco escreveu um tuíte, nesta quarta-feira, pelos 50 anos do Decreto Inter Mirifica do Concílio Vaticano II sobre os Meios de Comunicação Social.
“Há 50 anos, o Vaticano II falou sobre a comunicação: Escutar, dialogar e levar Cristo a todos que encontramos na vida”, escreveu Francisco, na conta @pontifex.
A data foi também assinalada com o lançamento de uma página especial dedicada ao documento.
“O dia 4 de dezembro de 1963 marca uma etapa fundamental no diálogo entre a Igreja e os meios de comunicação”, destaca o texto de apresentação do portal multimídia lançado pelo Pontifício Conselho das Comunicações Sociais.
A iniciativa visa “celebrar o aniversário desta ‘Carta Magna das Comunicações’, marco histórico nas relações entre a Igreja e o mundo da comunicação”.
O portal www.intermirifica50.va apresenta entrevistas, artigos e vídeos sobre o aniversário do Decreto Inter Mirifica, incluindo imagens conservadas na Filmoteca do Vaticano relativas à votação do dia 4 de dezembro de 1963, “em que se escreveu uma página da história da Igreja”.
O Pontifício Conselho destaca que com este documento se introduz o conceito de “Comunicação Social” e se reconhece a importância desta para a ação da Igreja Católica.
O decreto determinou a celebração anual, no domingo depois da solenidade litúrgica da Ascensão, do Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se repete desde 1967, com uma mensagem escrita pelo Papa.
“A Comunicação Social começou a fazer parte oficialmente do programa da Igreja Católica”, destaca o portal comemorativo do Vaticano.
A última aprovação dos padres conciliares levou apenas 12 minutos, com 1960 votos favoráveis e 164 contrários.
A votação anterior, a de 25 de novembro de 1963, registrou, no entanto, aquele que viria a ser o maior número de votos negativos para um documento conciliar: 503 contra 1598 votos favoráveis e 11 abstenções.
A Pontifícia Universidade Lateranense de Roma promove nesta quarta-feira um congresso intitulado “Inter Mirifica. 50 anos entre as maravilhas”.
Fonte: Rádio Vaticano

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Bispos debatem convergência de mídias

O desafio de anunciar o Evangelho na era digital, e por meio da convergência de mídias, foi discutido na quinta-feira, 7 de novembro, durante o Curso de Comunicação para Bispos. O evento, que se encerrou na sexta-feira, 8, despertou o interesse do episcopado pela comunicação para além dos veículos tradicionais.
Reconhecer o ambiente digital como espaço pastoral foi uma das proposições do teólogo e editor da revista italiana La Civiltà Cattolica, padre Antonio Spadaro. O teólogo ressaltou a urgência em se pensar e pôr em prática a pastoral digital. Assim como as tantas pastorais existentes na Igreja, esta criaria comunidades eclesiais com experiências e relações humanas, permitindo e valorizando a participação das pessoas. “As redes sociais não só transmitem mensagem, mas criam relações. A Igreja é chamada a construir humanidade”, afirmou o teólogo.
Padre Spadaro lembrou que a comunicação e o testemunho se complementam. “As palavras do papa Francisco sempre vêm acompanhadas de gestos. Se você não dá testemunho, as pessoas não entendem. Comunicar significa testemunhar. O anúncio do Evangelho que não passa por uma vida autêntica não transmite confiança”, explicou.
O doutor em ciências da Comunicação, Elson Faxina, refletiu com os bispos sobre “Convergências midiáticas na era da cultura digital”. O jornalista falou sobre a busca das pessoas pela inserção em uma comunidade. “Quando eu entro na internet, eu estou não só procurando outro, mas esta é uma busca de si no outro. Não mudou nada na vontade de pertencimento com a era da cultura digital. Tudo é como antes. O que há é uma pluralização de meios, o que mudou foi a forma de comunicar”, disse.
“Em nossa diocese a gente está usando a convergência de mídias para que as pessoas sintam essa sensação de pertencimento? A participação é a forma que temos das pessoas se sentirem gente”, questionou. “Os veículos de comunicação da Igreja precisam fazer a ponte com o nosso plano de pastoral. A rádio interagir com o jornal, com a televisão. A reportagem não é discurso. É história de vida. Temos ainda que inserir os jovens. Aproveitar e estimular o interesse e talento deles em relação às novas tecnologias”, acrescentou.
Fonte: CNBB

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Papa Francisco, um Tweetstar?

 Sua conta no Twitter superou os 10 milhões de seguidores
Lucandrea Massaro

Quem inaugurou a conta foi seu predecessor, há cerca de um ano, mas o "boom" de seguidores e retuítes está acontecendo nestas semanas. Estamos falando da conta do Papa no Twitter, @Pontifex.

Esta não é uma conta "pessoal", mas propriamente do Bispo de Roma, até o ponto de que, durante a Sé Vacante, esteve em silêncio, e os tuítes anteriores foram cancelados.

É um instrumento ao qual oPapa Francisco imprimiu seu próprio selo pastoral, chegando, no final de outubro, aos 10 milhões de seguidores, somando todos os idiomas (9 línguas, entre elas o latim).

Os que recebem os louros da vitória são os de língua espanhola, pois representam 40% do total, com mais de 4 milhões de seguidores. Em segundo lugar, estão os ingleses (mais de 3 milhões) e, depois, os italianos (mais de 1 milhão).

Para o jesuíta Antonio Spadaro, que cunhou o termo "ciberteologia", o Papa Francisco "tem uma grande capacidade de comunicação, que poderíamos definir como física, e que se reflete também no ambiente digital, que é como o espelho do que acontece na realidade".

Os tuítes do Papa Francisco têm um grande impacto. Seu "Nunca mais a guerra! Nunca mais a guerra!" foi retuitado por milhares de pessoas.

Francisco publicou uma mensagem de agradecimento aos seus seguidores: "Queridos seguidores, soube que já sois mais de 10 milhões! Agradeço-vos do fundo do coração e peço que continueis a rezar por mim".

O Papa Francisco quer incentivar os cristãos a relacionar-se, compartilhar e envolver-se, a única maneira de transmitir Jesus. #vivaopapa

Fonte: Aleteia

Bispos participam de curso de comunicação sobre a era digital

Com o objetivo de debater os desafios da evangelização no contexto da cultura gerada pelas novas tecnologias, cerca de oitenta bispos participam do Curso de Comunicação que acontece de 4 a 8 de novembro, em Recife (PE). O evento é uma iniciativa da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Raymundo Damasceno Assis, dirigiu uma mensagem aos participantes na abertura do encontro.

Entre os presentes estão o presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, dom Claudio Maria Celli; o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação, dom Dimas Lara Barbosa; o padre jesuíta e conferencista, Antonio Spadaro; e o anfitrião e arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido.

Dom Claudio Maria Celli abordou a “Comunicação e evangelização na era digital”. O bispo citou o papa Francisco como exemplo de uma comunicação audaciosa e eficaz. “O papa captou profundamente esse conceito. Ele comunica de forma simples e direta. Por meio dos seus gestos, ele dá esperança a muita gente”, observou.

Dom Celli falou da importância da interação por meio da comunicação com outras culturas. “Vivemos numa sociedade muito cultural e religiosa e é preciso manter um diálogo profundo e respeitoso com o outro, pois ele também pode enriquecer o meu caminho”, disse.

De acordo com assessora da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, Ir. Élide Fogolari, “as novas tecnologias vêm provocando uma cultura acelerada em toda a sociedade e também na Igreja. Desejamos que o episcopado possa entender como comunicar com a comunidade presente na Igreja a partir da cultura massiva e da cultura digital”.

Teoria e prática
O curso oferece aos bispos painéis voltados ao diálogo e revisão de teorias comunicacionais da era digital na cultura da evangelização, e participação nos laboratórios para praticar e conhecer as técnicas de produção em jornal, impresso e online, programas de rádio, internet e mídias sociais digitais. O assessor da Rede de Informática da Igreja no Brasil (RIIBRA), padre Clóvis Andrade Melo, acompanha os trabalhos.

Os painéis temáticos da terça-feira, 5, foram assessorados pelos pesquisadores padre Pedro Gilberto Gomes e Moisés Sbardelotto, que trabalharam os temas “Teorias da Comunicação: possibilidades e limites” e “Comunicação e mudanças socioculturais provocadas pelas tecnologias digitais”. O sacerdote lembrou o interesse da Igreja Católica pela comunicação. “A Igreja foi quem mais escreveu e se preocupou com a comunicação a partir da elaboração de documentos importantes e avançados”, disse.

Para Moisés Sbardelotto, a transmissão de informação não pode ser considerada comunicação. “Tudo isso é extensão. Isso acaba coisificando tanto o algo quanto o alguém. A coisificação gera alienação”. Para o pesquisador, a comunicação é a ação de tornar comum.

Fonte: CNBB

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Curso de comunicação e evangelização na era digital reúne bispos em Recife

Teve início nesta segunda-feira, 4, em Recife (PE), o Curso de Comunicação para Bispos. O tema central é “Comunicação e evangelização na era digital: uma abordagem teórico-prática”.

O evento é destinado exclusivamente ao episcopado brasileiro e tem a participação do Presidente do Pontifício Conselho das Comunicações Sociais, Dom Claudio Maria Celli. Do Vaticano, também fala aos bispos o Diretor da revista “Civiltà Cattolica”, o jesuíta Pe. Antonio Spadaro.

A assessora da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, Ir. Élide Fogolari, comenta a rápida evolução das novas tecnologias e deseja que a comunicação possa ser usada para o bem da Igreja e de todos. “Desejamos que o episcopado possa entender como comunicar com a comunidade presente na Igreja através da cultura massiva e da cultura digital”.

O Curso de Comunicação para Bispos tem, este ano, uma novidade na metodologia de trabalho, que é composta por teoria e prática, com painéis voltados ao diálogo e revisão de teorias comunicacionais da era digital na cultura da evangelização, e participação efetiva nos laboratórios para praticar e conhecer as técnicas de produção em jornal, impresso e online, programas de rádio, internet e mídias sociais digitais.

“O curso será bem elementar para a criação de conta de e-mail, configuração da parte estética e visual dos correios eletrônicos. Além disso, serão oferecidas dicas práticas de cada ferramenta, como as mídias sociais digitais, entre elas o Facebook, modos de compartilhamento, de integração e interatividade”, explica o assessor da RIIBRA (Rede de Informática da Igreja no Brasil), padre Clóvis Andrade Melo.

O encontro está sendo sediado na Colônia Salesiana em Jaboatão dos Guararapes, região metropolitana do Recife (PE). Na abertura, o Arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido, recebeu os participantes e as autoridades civis do Estado.

“Serão dias extremamente ricos. Onde, nós como pastores, poderemos nos atualizar sobre as diversas plataformas de comunicação, especialmente as que estão presentes na mídia digital”, afirmou o arcebispo de Olinda e Recife, que também participa do curso.

“A Igreja está atenta às mudanças do tempo e não pretende ficar de fora da evolução. Nossa Arquidiocese tem a comunicação como um dos pilares do seu projeto de renovação pastoral”, acrescentou Dom Saburido.

Fonte: Signis Brasil


sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Cidade de Vitória, no Espírito Santo, sediará 9ª edição do Muticom

A nona edição do Mutirão Brasileiro de Comunicação acontecerá na cidade de Vitória, no Espírito Santo. O anúncio oficial foi feito no final da tarde desta quinta feira, 31, na solenidade de encerramento do 8º Muticom, que aconteceu na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, na cidade de Natal.

O evento acontecerá em 2015 entre os dias 15 e 19 de julho. Esta não é a primeira vez que o estado do Espírito Santo recebe o Muticom. Em 2005 a cidade de Guarapari sediou o Mutirão.

Na cerimônia de encerramento o Vigário Geral da Arquidiocese de Natal e coordenador do 8º Muticom entregou para o bispo auxiliar de Vitória, Dom Wladìmir Lopes Dias, um cheque de mil reais, um gesto simbólico para que os capixabas comecem a organizar a nona edição do evento.

Após a cerimônia de enceramento, a cantora Elba Ramalho fez uma apresentação para as centenas de pessoas presentes no Ginásio de esportes da UFRN.

Fonte: RCR

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Professor Dr. Manuel Carlos Chaparro assessora último seminário do 8º Muticom

Os participantes do 8º Mutirão Brasileiro de Comunicação, Muticom, participaram na manhã desta quinta feira, 31/10 do último Seminário do evento com o tema “Conteúdo e Mensagens MCS: olhares críticos e questões contemporâneas”. Compuseram a mesa como assessores os professores Dr. Manuel Carlos Chaparro, da Universidade de São Paulo (USP) e o Dr. Laurindo Lalo Leal Filho, também da USP, e como debatedores o Prof. Dr. Miguel Pereira da PUC Rio e Prof. Dr. Arnon Andrade da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Em sua abordagem, o Professor Manuel Chaparro Afirmou que o mundo não se adapta ao jornalismo velho e que o mundo cataliza o progresso tecnológico e o avanço cultural. “O jornalismo não tem autonomia. O jornalismo é uma linguagem de relatos e comentários do que acontece, do que os outros fazem, do que os outros dizem. Os conflitos não são realizados pelo jornalismo, os conflitos são realizados pelos sujeitos sociais. Então é o jornalismo que tem que se adaptar, e não o contrário”, disse.

Em todos os seminários, após a fala dos componentes da mesa, foi aberto um espaço para os participantes exporem suas ideias e apresentarem suas perguntas aos dirigentes do seminário.

Cerca de 800 pessoas participam da oitava edição do Mutirão Brasileiro de Comunicação que acontece na Universidade Federal do Rio Grande do Norte na cidade de Natal e tem como tema “Comunicação e participação cidadã: Meios e processos”.

Na parte da tarde os participantes seguem para os grupos de trabalhos, GT’s e no final da tarde haverá a solenidade de encerramento e em seguida show com a cantora Elba Ramalho.

Fonte: Signis Brasil

Celebração da Santa Missa abre o último dia de atividades do 8º Muticom

O último dia de atividades do 8º Mutirão Brasileiro de Comunicação, Muticom que acontece na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, na cidade de Natal teve início nesta quinta feira, 31/10 com a celebração da Santa Missa presidida pelo arcebispo de Campo Grande MS e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação Dom Dimas Lara Barbosa.

Em sua homilia, dom Dimas disse que o grande desafio dos comunicadores católicos é a produção de conteúdos: “Nós temos mais de dois mil anos de cristianismo e todo o antigo testamento, um grande acervo acumulado pela Igreja. Temos as mais variadas formas de conteúdos para os mais diversos meios de comunicação. Cada comunicador cristão há de ser um permanente leitor da palavra de Deus, dos textos da Igreja e do catecismo da Igreja católica”. Afirmou.

O arcebispo falou ainda da necessidade de sairmos de nós mesmos para as periferias existenciais: “O maior instrumento de comunicação que temos é o nosso testemunho. Não podemos nos contentar com superficialidade, temos que ir ao cerne, ao coração do Evangelho. Sejamos imitadores de Jesus na nossa prática, no anúncio da Palavra.”

Participaram da celebração da Santa missa o arcebispo emérito de Natal Dom Matias Patrício de Macedo, Dom Antônio Wagner da Silva, bispo diocesano de Guarapuava PR, Dom Plínio José Luz da Silva, da Diocese de Picos, no Piauí, Dom José Moreira de Melo, bispo de Itapeva, São Paulo e Dom Wladìmir Lopes Dias, da Arquidiocese de Vitória, no Espírito Santo.

A atividades do último dia do 8º Muticom seguem na manhã desta sexta feira com a realização do Seminário Conteúdo e Mensagens MCS: olhares críticos e questões contemporâneas, com a assessoria dos professores Dr. Manuel Carlos Chaparro da Universidade de São Paulo ( USP) e Dr. Laurindo Lalo Leal Filho também da USP.

Na parte da tarde os participantes seguem para os grupos de trabalhos, GT’s e no final da tarde haverá a solenidade de encerramento e em seguida show com a cantora Elba Ramalho.

Fonte: RCR

Grupos de trabalho do 8º Muticom debatem experiências no campo de comunicação

Uma das novidades para esta edição do 8º Mutirão Brasileiro de Comunicação é a realização de grupos de trabalho, que tem a proposta de debater experiências exitosas no campo da comunicação. Na tarde desta quarta-feira (30), as discussões continuaram nos 12 grupos que foram formados para debater os trabalhos.

Por exemplo, o grupo de “Redes Sociais e Juventude”, assessorado pelo padre Clóvis Melo, coordenador da Rede de Informática da Igreja do Brasil (RIIBRA), da CNBB, e por Fernando Geronazzo, coordenador do grupo Jovens Conectados, da Conferência Episcopal para a Juventude, da CNBB, apresentou diversas experiências, entre elas, a do designer Gustavo Huguenin, responsável pela criação da identidade visual da Jornada Mundial da Juventude Rio 2013.

Segundo Gustavo, os grupos possibilitaram a troca de experiências e conhecimentos. “Esta é a primeira vez que participo de um Mutirão de Comunicação. Acredito que os grupos vem possibilitando um bom debate, uma vez que, a Igreja e a sociedade tem boas iniciativas de comunicação”, fala.

O padre Clóvis Melo avalia como positiva a iniciativa dos grupos. “Tem sido uma experiência muito rica, uma vez que esses grupos não se constituem somente com as apresentações de trabalhos. Os temas que são expostos transformam-se em grandes debates, o que é produtivo”, frisa.

A programação dos grupos de trabalho encerra nesta quinta-feira (31), com o debate e síntese dos temas apresentados nos dias anteriores de encontro.

Fonte: Muticom

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Terceiro dia de Muticom debate "Jornalismo público e cidadania"

O 8º Mutirão Brasileiro de Comunicação chegou ao terceiro dia de atividades, debatendo o tema “Jornalismo Público e construção da cidadania”. Quem fez a assessoria do seminário foi o professor Elson Faxina, da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e TV Educativa do Paraná (TVE/PR). Também estiveram presentes no debate, o padre Ermanno Allegri, da Agência de Notícias Adital, de Fortaleza (CE) e Marcos Guerra, jornalista e integrante do conselho diretor da Ordem dos Advogados do Brasil, no Rio Grande do Norte (OAB/RN).
Em suas palavras, o prof. Elson apresentou um conceito da filósofa Marilena Chaui, sobre cidadania passiva e ativa. “De acordo com a Marilena, a cidadania passiva é aquela que recebemos sem nenhum esforço. No caso, os benefícios concedidos pelas organizações. Este tipo de cidadania ganha grande repercussão nos meios de comunicação. Já a cidadania ativa é aquela que nos interessa. No caso, a que gera mudanças sociais, fruto da organização de grupos. Podemos citar como exemplo, as organizações de lutas sindicais, entre outros. Já esta forma de cidadania não ganha destaque nas grandes mídias, pois gera disputa de espaço”, frisa.
Ainda nas palavras do professor, foi destacado que a Igreja deve ter um olhar diferenciado na produção de conteúdos, levando em conta os princípios ideológicos de cada meio. “Os meios católicos devem ficar atentos para não repetir o que as grandes mídias veiculam. Sua ideologia é diferenciada, então deve seguir por este caminho. Acredito que os jornalistas devem abandonar a zona de conforto e buscar outras formas de narrar os fatos. Lembremos que o que muda a sociedade não é o discurso, mas a história, os testemunhos”, pontua.
Para o jornalista e advogado Marcos Guerra, é preciso pensar os meios sob a ótica da cidadania. “Nos noticiários que veiculamos nos meios de comunicação, devemos ficar atentos para evidenciar os valores que são realmente importantes para a sociedade. O que vemos na atualidade, é um jornalismo pouco comprometido com os interesses do povo”, destaca.
Avaliação
O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, Dom Dimas Lara Barbosa, está participando das atividades do 8º Muticom. Para ele, a avaliação é positiva. “A própria dinâmica do Mutirão refere-se ao conhecimento produtivo, com a contribuição de todos. As partilhas de experiências tem sido bem sucedidas”, comemora.
Ele destaca que os mutirões, bem como, os encontros nacionais da Pastoral da Comunicação, tem contribuído para a ação da pastoral nas paróquias. “Esses eventos vêm se consolidando cada vez mais, o que gera corpo e ação pastoral, da comunicação, em nossas dioceses e paróquias”, diz.  
Programação
A programação acadêmica do 8º Muticom segue até esta quinta-feira (31), com as seguintes atividades: 08h –missa de encerramento, presidida por Dom Dimas Lara Barbosa; 09h – Seminário “Conteúdo e Mensagens dos MCS: olhas críticos e questões contemporâneas”, com assessoria dos professores Manuel Carlos Chaparro (USP) e Laurindo Lalo Leal Filho (USP). Das 14h às 16h, fechamento dos grupos de trabalho e às 16h30, solenidade de encerramento, com anúncio da sede do 9º Muticom, seguida da apresentação da cantora Elba Ramalho.
Fonte: Muticom

8º Muticom debate Comunicação Comunitária

A professora Dra. Raquel Paiva foi a assessora do seminário que deu início às atividades do terceiro dia da oitava edição do Mutirão Brasileiro de Comunicação – Muticom, nesta terça feira, 29. Participaram da mesa como debatedores o coordenador acadêmico do evento professor Dr. Juciano Lacerda, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), e padre Manoel Filho, coordenador diocesano da Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Salvador (BA). Como mediador, compôs a mesa o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação, Dom Dimas Lara Barbosa. O tema discutido foi “Comunicação comunitária e construção da cidadania” .

A professora Raquel Paiva abordou questões relativas à comunidade e comunicação comunitária e questionou os presentes por que se fala muito hoje em comunidade e qual a relação entre esta, a comunicação e a sociedade: “A comunicação comunitária é horizontal. Ela é horizontal na sua gestão, nos assuntos, nos seus temas, na maneira como serão tratados, na preparação das pautas, na realização das matérias, entrevistas, na produção... ela é gestada, gerenciada por um coletivo. Ela é necessariamente a voz daquela coletividade”.

O 8ºMuticom teve início no último domingo, 27, e acontece até a próxima sexta feira, 01, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em Natal, e tem como tema "Comunicação e participação cidadã: meios e processos". Constam na programação do evento, além das conferências e seminários, grupos de trabalho e momentos para troca de experiências entre os comunicadores. Aproximadamente 70 relatos de pesquisa serão apresentados durante os dias de Mutirão.

Fonte: Signis Brasil

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Muticom reúne comunicadores de todo o Brasil

O segundo dia do 8º Muticom – Mutirão Brasileiro de Comunicação, teve início nesta segunda feira, 28, com a celebração da Santa Missa no Ginásio de Esportes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN.
Centenas de pessoas participaram da celebração presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, que destacou a importância dos meios de comunicação católicos responderem à ordem de Jesus de proclamar o Evangelho.
O arcebispo disse ainda que a comunicação deve ser realizada com competência, dedicação e responsabilidade. Concelebraram a Santa Missa juntos com Dom Jaime Viera Rocha; Dom Dimas Lara Barbosa, MS; Dom Delson Pedreira da Cruz, PB; Dom José Moreira, SP; Dom Plinio José, PI; Dom Wladimir Lopes Dias, ES,
O mutirão reúne comunicadores de todo o país, para debaterem o tema “Comunicação e participação cidadã: meios e processos”. As atividades acontecem até o dia 01 de novembro e reúnem cerca de 800 pessoas de diversos lugares do Brasil. Na programação, além das celebrações, terá seminários, apresentações culturais e a feira da comunicação.
Para o Everto Lucas, da diocese do Ceará, que trabalha na Web TV Diferente, é a primeira vez que participa do Muticom. Segundo ele, “é uma grande expectativa de levar muita experiência para os colegas de trabalho que não puderam participar do evento”. Everton afirma querer “voltar mais carregado de experiências para trabalhar com mais vigor na evangelização para os jovens”.
Os cerca 800 participantes do evento representam as regiões do Brasil: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espirito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Rio Grande do Norte.
Durante a programação na manhã de segunda-feira, 28, realizou-se a conferência com o professor Dr. Muniz Sodré (UFRJ), que proferiu o tema do 8º Mutirão de Comunicação. Professor Sodré afirma que historicamente a comunicação esta liga ao cristianismo. “Este evento não é um evento de pregação e de conversão é um evento de estudo de congregação. Então pra mim, que sou acadêmico, sou escritor, isso dá um diferencial para reunir gente de todos os estados para discutir essa nova forma que aglutina e estrutura que são as redes de comunicação, que é a comunicação social”.
A estudante de jornalismo, Dina, veio para o Mutirão de Comunicação com a perspectiva de compreender estes novos desafios da nova evangelização, de poder vivenciar o máximo o evento de comunicação e levar novidades para a Arquidiocese de Fortaleza.
Na parte da tarde aconteceram os grupos de trabalhos, GTs, que são novidade nesta edição, e possibilitaram a apresentação de experiências no campo da comunicação. Os GTs foram: Impressos; Comunicação e Educação; Redes Sociais e Juventude; Comunicação e Educação; Televisão e Cidadania; Redes de Comunicação; Comunicação e Catequese; Pascom; Assessoria de Comunicação; Rádios Educativas, Comunitárias e Comerciais; Formação de Comunicadores; Web-Rádio e Web-TV e Comunicação para Crianças.
Fonte: Signis Brasil

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Começa o 8º Mutirão Brasileiro de Comunicação

O tema “Comunicação e Participação cidadã: meios e processos” pauta as atividades do 8º Mutirão Brasileiro de Comunicação (Muticom), aberto oficialmente na noite deste domingo, 27 de outubro, no hotel Praiamar, em Natal (RN). A cerimônia foi presidida pelo arcebispo metropolitano, dom Jaime Vieira Rocha, e pelo presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa.
“Se eu puder definir este 8º Muticom com uma palavra, eu diria esperança. Uma esperança que não decepciona, e esta alegria de ver cada vez mais o desafio de Paulo VI, que seremos julgados pelas futuras gerações pelo bom ou mau uso que fizermos dos meios de comunicação”, afirmou dom Dimas. “Acho que o Mutirão vai ser um momento de muita comunhão, de muita partilha, no que diz respeito à nossa missão”, afirmou a presidente da Signis Brasil, irmã Helena Corazza, em entrevista ao site do evento.
As atividades do evento continuam nesta segunda-feira no campus da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), com celebrações, seminários, e a Feira de Comunicação. Hoje, a programação começa com missa, seguida de uma conferência com o jornalista Muniz Sodré. No período da tarde, ocorrerão, simultaneamente, os 14 grupos de trabalho.
Muticomaberturaplateia2013 640x427
Para a reitora da UFRN, Ângela Paiva Cruz, a realização do Muticom em parceria com a universidade é um fato muito positivo. “Neste evento vamos ter a possibilidade de fazer uma discussão cientifica acadêmica da questão da comunicação sobre os meios e processos que venha a qualificar a atuação na comunicação da religião católica”.
A programação acadêmica do 8º Muticom termina na quinta-feira, 31. Na sexta-feira, 1º de novembro, será dedicada a passeios. As notícias do evento podem ser acompanhadas também no site oficial, ou através do aplicativo exclusivo para smartphones.
Fonte: CNBB

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

8º Mutirão Brasileiro de Comunicação começa domingo

Cerca de 800 pessoas, de várias partes do Brasil, chegarão à capital potiguar no próximo domingo, 27 de outubro, para participar do 8º Mutirão Brasileiro de Comunicação (Muticom). O evento, que se estende até o dia primeiro de novembro, tem como tema: “Comunicação e participação cidadã: meios e processos”.
Pela primeira vez o Mutirão será realizado no campus de uma universidade pública. A organização é da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Signis Brasil, arquidiocese de Natal e Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
O programa inclui, pela manhã, a realização de celebrações, seminários e lançamentos de livros. Paralelamente, haverá uma Feira de Comunicação. No período da tarde, serão realizados simultaneamente 14 grupos de trabalhos com diversas temáticas. A programação inclui também atividades culturais, como o show da cantora Elba Ramalho. No último dia do evento, os participantes também poderão realizar passeios organizados pelo litoral norte, litoral sul e Natal.

Lançamentos

No dia 28, o diretor executivo do Portal A12 e apresentador do Programa ‘Bem-vindo Romeiro”, na TV Aparecida, padre Evaldo César, lançará o livro “Igreja na cidade: desafios e alcances de uma evangelização pela televisão”.

A Pastoral da Comunicação da arquidiocese de Salvador (BA) e a Universidade Católica de Salvador vão lançar, no dia 29, o Curso de Aperfeiçoamento em Comunicação Pastoral”. Trata-se de uma pós-graduação, voltada para agentes da Pascom e profissionais da área de comunicação e será realizada em módulos.
“Haiti por si: a reconquista da independência roubada” é o título do livro que será lançado no final da manhã do dia 30. Produzido pela Agência de Informação Frei Tito para a América Latina, conhecida como Agência Adital, o livro busca mostrar as possibilidades de reconstrução política, econômica, social e cultural do Haiti.
No dia 31, será lançado o livro digital “Comunicação para a cidadania: objetos, conceitos e perspectivas”, organizado por Cláudia Regina Lahni e Juciano de Sousa Lacerda. Ambos integram o grupo de pesquisa Comunicação para a Cidadania, da Intercom.
Fonte: CNBB

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Signis Brasil realiza cobertura inédita durante Congresso da Amazônia

O 1º Encontro da Amazônia Legal, que acontece em Manaus, de 28 a 31 de outubro, terá projeto inédito de comunicação. Impressos, Rádio e Internet farão a maior rede de comunicação de um evento da Igreja. A ação é promovida pela Signis Brasil.
O destaque é para a forma: de modo integrado, a cobertura jornalística alcançará dez impressos católicos entre revistas e jornais, associados a Signis Brasil, chegando a uma tiragem de cerca de 1 milhão exemplares e a 230 rádios de todo o País, associadas à Rede Católica de Rádio (RCR).
“A relevância deste encontro da  Amazônia é muito grande tanto para a Igreja quanto para o diálogo com a sociedade, nas questões pontuais ali discutidas. E esta é a nossa missão como veículos católicos”, afirma a presidente da Signis, irmã Helena Corazza, fsp.
Participam do projeto os jornalista: Wilson Silvaton, fará a cobertura de rádio, Osnilda Lima e  Karla Maria,  resposáveis pelos impressos e  internet. A  coordenação da produção de rádio é do jonalista André Costa e conta com a assosria de   Marcos Beltramim, dirigido pelo presidente da RCR frei João Carlos Romanini.
As mídias participantes do projeto:
Rádio:  Rede  Aparecida (SP),   Redesul  de Rádio (RS)   Rede Milícia da Imaculada (SP), Rede Difusora (GO),  Rede Cancao Nova de Rádio (SP)
Impressos:  Familia Cristã, Revista Rainha,Revista O Mílite,  Revista Canção Nova, Revista Ave Maria, Revista Cidade Nova,  Revista  Mundo e Missão,  Jornal Correio Riograndense, Jornal O Santuário, Jornal Mundo Jovem,  Jornal Missão Jovem,
A Igreja da Amazônia Legal
As questões que serão discutidas por lideranças e bispos dos seis regionais que compoem a Amazônia Legal são muitas, e têm ferido a dignidade da pessoa humana de diversas formas, além de impactar o meio ambiente.
No Regional Noroeste, que compreende os Estados do Acre, Sul do Amazonas e Rondônia, a preocupação está no impacto que os grandes projetos do governo federal e as Pequenas Centrais Hidrelétricas estão gerando aos centros urbanos: exploração sexual, impactos às comunidades tradicionais, ribeirinhas e ao meio ambiente.
Os conflitos de terra também estão presentes. Segundo a Comissão Pastoral da Terra, atualmente 295 pessoas, entre elas dom Pedro Casaldáliga, estão ameaçadas de morte, 199, ou 67% delas, encontram-se na Amazônia Legal.
No Norte 1, que compreende o Norte do Amazonas e Roraima, há a preocupação com a acolhida a imigrantes haitianos, com as populações tradicionais e ribeirinhas, com os povos indígenas da Raposa Serra do Sol. Já no Regional Norte 2, nos estados do Amapá e Pará, bispos, religiosos e agentes de pastoral estão ameaçados de morte por denunciarem o tráfico internacional de mulheres, o trabalho escravo em usinas de carvão, os conflitos e interesses em terras indígenas.
A pobreza, o tráfico de mulheres e o trabalho escravo também estão presentes nos regionais centro Oeste, que compreende parte do Tocantins, Goiás e Distrito Federal e Oeste 2, a outra parte do Tocantins e Mato Grosso; e no Nordeste 5, o Maranhão, que atualmente é o penúltimo Indíce de Desenvolvimento Humano (IDH) do País.
Cristo aponta para a Amazônia − Para responder a esses desafios, a Igreja na Amazônia tem abraçado a missão de forma comprometida com toda a criação e na busca de uma vivência autêntica nas comunidades de fé, alimentado-se pela Palavra e pela Eucaristia. Em Julho de 2012, na celebração final do 10º Encontro da Igreja na Amazônia, realizada em Santarém (PA), o cardeal dom Claudio Hummes, presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia, e os bispos dos regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que abrangem a região divulgaram uma Carta ao Povo de Deus expressando o compromisso com a Amazônia. Trecho inicial da carta:
“Expressamos nossa gratidão ao Deus da vida, não obstante nossas fragilidades, nossa Igreja tem anunciado Jesus Cristo ressuscitado, caminho, verdade e vida e tem marcado presença junto ao povo sofrido, sendo muitas vezes a voz dos povos indígenas, ribeirinhos, quilombolas, seringueiros e migrantes, nas periferias e em novos ambientes dos centros urbanos animando as comunidades na reivindicação do respeito pela sua história e religiosidade.
É também a vida destes povos, seu modo de viver, sua simplicidade, seu protagonismo, sua fé que nos encantam! Não faltou o testemunho de entrega da própria vida até o derramamento de sangue. Este testemunho nos anima, nos encoraja e nos fortalece. São também protagonistas religiosos e religiosas, pastorais, movimentos e serviços que tem sido uma força viva e atuante na realidade das nossas comunidades. ‘Cristo aponta para a Amazônia’ lembrava o Papa Paulo VI aos bispos da Amazônia por ocasião de seu encontro em Santarém, de 24 a 30 de maio de 1972, marco indelével na história da Igreja desta grande região brasileira, habitada por povos de culturas e tradições tão diferenciadas do outro Brasil”.
Fonte: Signis Brasil

Tema do 8º Muticom será debatido em audiência pública na assembleia legislativa

“Comunicação e participação cidadã: meios e processos” será o tema da audiência pública, proposta pelo Deputado Fernando Mineiro, que vai acontecer no dia 30 de outubro, próxima quarta-feira, às 16h, no auditório Robinson Faria, na sede da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. A sessão será aberta a todo o público, e também transmitida pela TV Assembleia.

Os debatedores da audiência serão: Professor Dr. Laurindo Lalo Leal Filho, da Escola de Comunicações e Artes, da Universidade de São Paulo (USP); Professor Dr. Elson Faxina, da Universidade Federal do Paraná; Dom Dimas Lara Barbosa, Arcebispo de Campo Grande; Natália Bonavides, representante da Intervozes; João Victor Leal, representante do Coletivo da Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social e o Professor Dr. Juciano de Sousa Lacerda, coordenador do GP Comunicação para a Cidadania, da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom).

Fonte: Muticom

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Centro Televisivo Vaticano, em caminho com o Papa

“30 anos do Centro Televisivo Vaticano. A televisão que conta o Papa ao mundo”: com este título, realiza-se esta sexta-feira, em Roma, o congresso para celebrar a criação do CTV, em 1983, sob o pontificado de João Paulo II.

O congresso foi a ocasião para o Papa Francisco enviar uma mensagem ao Diretor do CTV, Mons. Dario Edoardo Viganò (foto), e refletir sobre o papel da Igreja nos meios de comunicação.

Nessas décadas, observa o Pontífice, a tecnologia viajou em alta velocidade, criando inesperadas redes interconexas. Todavia, é necessário manter a perspectiva evangélica nesta espécie de “rodovia global da comunicação”, sempre fiel aos propósitos de quando o CTV foi criado, ou seja, de favorecer uma ação mais eficaz da Igreja nos meios de comunicação.

Por isso, os eventos eclesiais jamais podem ser apresentados sob uma ótica mundana, escreve o Papa, recordando seu encontro com os jornalistas dias após sua eleição à Sé de Pedro. Se já não é simples narrar os eventos da história, mais complexo ainda é contar os eventos ligados à Igreja, que é “sinal e instrumento da íntima união com Deus”, é Corpo de Cristo, Povo de Deus e Templo do Espírito Santo.

“Isso requer uma responsabilidade especial, uma forte capacidade de ler a realidade em chave espiritual. Isso significa um cuidado particular ao selecionar, editar e veicular as imagens – habilidades que norteiam o trabalho do CTV.

A função do Centro Televiso Vaticano, prossegue Francisco, não se reduz somente a documentar de maneira “neutra” os eventos, mas é muito mais do que isso: é “contribuir para aproximar a Igreja ao mundo, eliminando as distâncias, fazendo chegar a palavra do Papa a milhões de católicos, inclusive onde muitas vezes professar a fé é uma escolha corajosa. Graças às imagens, o CTV está em caminho com o Papa para levar Cristo a tantas formas de solidão do homem contemporâneo, alcançando também as ‘sofisticadas periferias tecnológicas’”.

Nesta missão, ressalta o Papa, é importante recordar que a Igreja está presente no mundo da comunicação, em suas múltiplas expressões, sobretudo para conduzir as pessoas ao encontro com o Senhor Jesus. “É somente o encontro com Jesus, de fato, que pode transformar o coração e a história do homem. Peçamos ao Senhor que nos torne capazes de chegar ao coração do homem, além das barreiras da desconfiança, e peçamos a Nossa Senhora que guie os nossos passos de ‘peregrinos da comunicação’”, conclui o Santo Padre, invocando a intercessão de Santa Clara, padroeira da televisão.

Fonte: Rádio Vaticana

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Festa de Nossa Senhora Aparecida na Vila Velha





Em comemoração ao dia de Nossa Senhora Aparecida, 12 de outubro e Dia das Crianças a Paróquia Nossa Senhora da Conceição festejou a data na Igreja da  Vila Velha, onde a santa é padroeira daquela comunidade. Frei Fernando presidiu a missa pela manhã, após a procissão no bairro. Ao meio dia foi servido um delicioso almoço com direito a bolo e refrigerante.